Pular para conteúdo

Ensinamento sobre o cultivo da mente do despertar#

Agora, serão explicados os ensinamentos sobre dar nascimento à mente do despertar sublime1, que são o antídoto para a ignorância sobre os meios de realizar a budeidade. Seu resumo é:

Fundação, essência, categorias, focos,
causas, fonte dos votos, cerimônia, benefícios,
desvantagens de abandonar, causas da perda,
métodos de restauração e preceitos.
Esses 12 pontos sumarizam
o cultivo da mente do despertar sublime.

1. Fundação#

Sobre o primeiro ponto, a fundação para o cultivo da mente do despertar sublime é a pessoa que:

  1. possui a descendência Mahayana;

  2. refugiou-se na proteção das Três Joias;

  3. e mantém pelo menos um dos sete preceitos de liberação individual2 (pratimoksha).

Com esses três requisitos, é possível dar nascimento à boditchita da aspiração, e ela em si é um requisito para a boditchita da aplicação.

— Por que isso é necessário?

Antes de cultivar a aplicação, é preciso ter a aspiração, conforme explicado no texto Níveis Bodisatva3. Antes da aspiração, é preciso ter se abrigado na proteção do refúgio, conforme explicado em Tocha Para o Caminho da Iluminação4. Esse texto também diz que a boditchita da aplicação exige os preceitos de liberação individual como sua fundação.

Para assumir esses preceitos, é preciso ter se abrigado no refúgio, conforme explica o Tesouro do Abidharma5. E, sem a descendência Mahayana, a mente do despertar sublime não surge, segundo Níveis Bodisatva. Assim, é preciso uma combinação de todos esses elementos.

Descendência Mahayana#

Sobre o primeiro elemento (necessário para o cultivo da mente do despertar), o aspecto geral é que deve haver a descendência Mahayana. O aspecto particular é que ela precisa ter sido ativada — isso pode ser entendido conforme o ensinamento mais extenso que foi apresentado antes6.


1 Este é o 4º e último tópico da Parte 4 (Método – A instrução do professor), abrangendo os capítulos 8 a 19.

2 “Preceitos de liberação individual” são os diferentes tipos de votos assumidos durante as ordenações monástica ou leiga de praticantes budistas.

3 Texto de autoria do mestre indiano Asanga que, através de sua conexão com o bodisatva Maitreya, consolidou uma das duas linhagens bodisatva (a outra é de Nagarjuna & Manjushri).

4 Texto do mestre indiano Atisha Dipamkara, que deu origem à tradição Kadampa no Tibete; ela foi absorvida como um elemento fundamental de todas as escolas budistas tibetanas.

5 Texto do mestre indiano Vasubandhu, considerado uma das escrituras budistas mais importantes, por explicar a mente e os fenômenos.

6 No capítulo 1.