Pular para conteúdo

Capítulo 10 – Preceitos da boditchita da aspiração#

12. Preceitos da boditchita1#

Há dois tipos de preceitos: os da boditchita da aspiração e da aplicação.

Sobre a explicação do primeiro tipo, o resumo é:

Mentalmente não abandonar seres sencientes,
relembrar os benefícios da boditchita,
realizar as duas acumulações,
treinar a mente continuamente,
adotar os quatro atos claros e abandonar os obscuros.
Estes cinco pontos sumarizam os preceitos da aspiração.

Entre eles, o primeiro preceito (não abandonar seres) consiste nos métodos para não perder a mente do despertar. O segundo (relembrar os benefícios) envolve os meios para ela não degenerar. O terceiro (duas acumulações) é sobre fortalecer a mente do despertar. O quarto (treinar continuamente) multiplica-a. O quinto (4 atos claros e 4 obscuros) impede o esquecimento da boditchita.

1. Mentalmente não abandonar seres#

Sobre a explicação do primeiro preceito — mentalmente não abandonar seres sencientes, que é o método para não perder a mente do despertar —, o Sutra Solicitado p__or Anavatapta diz:

A pessoa bodisatva que possui uma única qualidade detém completamente as qualidades do Buda, que tem tudo que há de sublime. “Que qualidade única é essa?” É a mente que jamais abandona nenhum ser senciente.

Mentalmente abandonar um ser senciente é cultivar a intenção, livre de qualquer simpatia, de banir alguém que fez algo inadmissível para nós: não ajudar mesmo que surja a oportunidade, não socorrer mesmo havendo a chance de impedir danos.

— Isso se refere a abandonar mentalmente todos os seres sencientes ou apenas um?

O abandono de todos os seres está além até de shravakas e pratyekabudas, ou mesmo de águias ou lobos. No entanto, ao abandonar apenas um único ser, e não remediar dentro do período de uma sessão de meditação2, a boditchita é perdida. Assim, abandonar mentalmente seres sencientes e continuar realizando outras práticas — considerando-se bodisatva — é totalmente sem sentido. Por exemplo, seria como se apropriar com cobiça dos pertences de sua única criança, após matá-la.

Assim, dificilmente perderíamos a boditchita com seres que nos beneficiam, mas isso pode acontecer facilmente com quem nos prejudica. Então, cultive compaixão especialmente por estes últimos, para realizar seu bem-estar e conforto. Este é o modo como seres sagrados praticam o Dharma, conforme é ensinado:

Se ao ajudar, receber danos em troca,
em resposta, novamente reúna grande compaixão.
Seres sublimes deste mundo
respondem ao mal com mais bondade.

2. Relembrar os benefícios#

Sobre a explicação do segundo ponto, chamado de “preceito de relembrar os benefícios da mente do despertar”, que é o método para a boditchita não degenerar, a Tocha Para o Caminho da Iluminação diz, entre mais referências:

Quaisquer que sejam as qualidades
dessa mente pura de aspiração,
elas foram todas explicadas por Maitreya
no Sutra da Exibição da Árvore.

Sobre isso, o sutra proclama os benefícios da boditchita limitando-os a 230 exemplos, mas todos são resumidos nas seguintes quatro categorias gerais.

Sobre os benefícios para si, essa escritura diz o seguinte, entre mais menções:

Nobre criança, a mente do despertar é como a semente de todas as qualidades de budas. Ao dissipar toda a pobreza, é como Vaishravana3.

Sobre o benefício alheio, os versos afirmam, entre outras menções:

Ao abrigar completamente todos os migrantes, é como uma morada. Ao sustentar todos os seres, é como uma base.

Sobre o benefício de cortar todas condições adversas, os versos dizem, entre mais menções:

Ao derrotar as aflições inimigas, é como uma lança. Ao derrubar a árvore do sofrimento, é como um machado.

Sobre o benefício de assegurar todas condições favoráveis, os versos afirmam, entre outras referências:

Ao realizar inteiramente todas as aspirações, é como o vaso esplêndido. Ao atender completamente todos os desejos, é como a joia dos desejos.

Quando benefícios como esses são relembrados, a boditchita e suas qualidades são muito valorizadas, sendo consideradas supremas. Tal mudança se reflete na prática e a mente do despertar passa a ser sustentada sem degeneração. Portanto, sempre lembre desses benefícios. No mínimo, faça isso dentro de cada sessão de meditação.

3. Realizar as duas acumulações#

Sobre a explicação do terceiro ponto — chamado de o “preceito de realizar as duas acumulações”, que é o método para fortalecer a mente do despertar —, a Tocha Para o Caminho da Iluminação afirma:

As acumulações — compostas por mérito e sabedoria primordial — são a causa da perfeição completa.

Entre elas, a acumulação de mérito se refere a métodos como as dez atividades do Dharma4 e as quatro maneiras de atrair (para o Dharma)5. A acumulação de sabedoria primordial envolve os aspectos de sabedoria como realizar esses atos dentro da pureza completa das Três Esferas.

Ao realizar essas duas acumulações, a boditchita é fortalecida no contínuo mental. Então acumule assim o tempo todo. No mínimo, faça isso dentro de cada sessão de meditação, já que mesmo a recitação de um mantra em uma única sessão é capaz de completar as duas acumulações. O Conselho Sobre Acumulações ensina:

“O que farei hoje para acumular mérito e sabedoria?
O que farei para beneficiar seres sencientes?”
Bodisatvas pensam nisso o tempo todo.

4. Treinar a mente continuamente#

Sobre a explicação do quarto ponto — chamado de o “preceito de treinar continuamente na boditchita”, que é o método para expandir a mente do despertar —, a Tocha Para o Caminho da Iluminação diz:

Após o nascimento da pura boditchita da aspiração,
com intensa dedicação, multiplique-a continuamente.

Sobre isso, é preciso conhecer três modos de treinar a mente: treinar na causa da boditchita, na boditchita em si e em sua conduta. Ao praticar esses três, a mente do despertar se amplia.

O primeiro treino (na causa da boditchita) é sempre ter a intenção de amor e compaixão em relação a seres sencientes. No mínimo, faça isso em cada sessão de meditação.

O treinamento na boditchita em si é ter a mente que aspira pela realização da budeidade para o benefício de seres. Isso deve ser contemplado três vezes de dia e três de noite; ou então, o ritual extenso para gerar boditchita deve ser realizado. No mínimo, em cada sessão de meditação, essa prece6 deve ser recitada:

Abrigo-me na proteção do Buda,
Dharma e da Sangha sublime até a iluminação.
Pela prática da generosidade e das outras paramitas,
que eu realize a budeidade para o bem dos seres.

O treinamento da mente na conduta da boditchita se divide em dois: treinar a intenção de beneficiar outros seres e purificar o próprio contínuo mental. O primeiro é cultivar a intenção de dedicar e doar o próprio corpo, posses e toda virtude dos três tempos para o benefício e conforto alheios. Treinar para purificar o contínuo mental é constantemente examinar a própria disciplina e abandonar atos negativos e aflições.

5. Quatro atos claros e quatro obscuros#

Sobre a explicação do quinto ponto — chamado de o “preceito de adotar os quatro atos claros e abandonar os quatro atos obscuros”, sendo o método para não esquecer a mente do despertar —, a Tocha Para o Caminho da Iluminação afirma:

Para lembrar disso também em outras vidas,
proteja totalmente os preceitos mencionados.

Onde esses preceitos são explicados? O Sutra Solicitado por Kashyapa diz o seguinte sobre os quatro atos obscuros, entre mais referências:

Kashyapa, uma pessoa bodisatva que possui quatro coisas vai esquecer a mente do despertar. Quais quatro coisas? São as seguintes...

Em resumo, são elas: enganar o mestre ou pessoas dignas de oferendas, fazer outras pessoas se arrependerem de coisas que não devem ser lamentadas, falar coisas inapropriadas sobre uma pessoa bodisatva que deu nascimento à boditchita7 e trapacear seres sencientes.

Os quatro atos claros também são mencionados (no mesmo sutra), entre mais referências:

Kashyapa, para uma pessoa bodisatva que possui quatro coisas, a boditchita se manifesta logo no nascimento, em todas as vidas. Até a realização da essência da iluminação, essa mente não se dissipará em esquecimento. Quais quatro coisas?

Em resumo, são elas: não mentir intencionalmente, mesmo sob risco de morte; conduzir todos seres à virtude, especialmente à virtude do Grande Caminho; considerar como sendo o Professor, o Buda, qualquer pessoa bodisatva que deu nascimento à boditchita e proclamar suas qualidades nas dez direções; manter uma mente bondosa, que não engana, em relação a todos os seres.

ato obscuro – A boditchita é perdida caso uma praticante engane intencionalmente pessoas dignas de oferendas — como o mestre, abade ou professor do Dharma —, independentemente de a pessoa enganada perceber ou não, gostar ou não, se a mentira for grande ou pequena, ou se houver de fato engano ou não. Caso isso não seja remediado no período de uma sessão de meditação, há quebra. Seu oposto é o 1º ato claro: manter-se sem dizer mentiras intencionais mesmo sob risco de morte.

2º ato obscuro – A boditchita é perdida caso um praticante intencionalmente aja para que outra pessoa se arrependa de uma virtude realizada8, independentemente de causar arrependimento de fato ou não. Caso isso não seja remediado no período de uma sessão de meditação, há quebra. Seu oposto é o 2º ato claro: diligência em conduzir todos os seres até a virtude, especialmente à virtude Mahayana.

3º ato obscuro – A boditchita é perdida caso uma praticante, sentindo raiva, anuncie as falhas de uma pessoa que deu nascimento à boditchita, independentemente de serem falhas ordinárias ou ligadas ao Dharma, de serem mencionadas diante da pessoa ou de modo oculto, de serem específicas ou não, de serem ditas de modo gentil ou grosseiro, de terem sido ouvidas ou não, ou se a pessoa criticada gostou ou não. Caso isso não seja remediado no período de uma sessão de meditação, há quebra. Seu oposto é o 3º ato claro: a diligência em considerar como sendo o Buda qualquer pessoa bodisatva que deu nascimento à boditchita, e proclamar suas qualidades nas dez direções.

4º ato obscuro A boditchita é perdida caso um praticante intencionalmente tente trapacear qualquer ser senciente, independentemente de a vítima perceber ou não, ter prejuízo ou não. Caso isso não seja remediado no período de uma sessão de meditação, há quebra. Seu oposto é o 4º ato claro, chamado de “manter uma intenção sublime em relação a seres sencientes”, ou seja, uma mente que deseja ajudar, livre das amarras da preocupação egoísta.

Este foi o “Capítulo 10 – Preceitos da boditchita da aspiração”, do Ornamento da Liberação Preciosa, o Dharma Sagrado que é Como Uma Joia que Realiza Desejos.


1 Este é o último dos pontos sobre a mente do despertar, listados no início do capítulo “Ensinamento sobre o cultivo da mente do despertar”.

2 Para praticantes em retiro, o dia se divide em várias sessões de meditação; quatro ou seis, geralmente.

3 Um deus hindu imensamente rico, associado à prosperidade.

4 Copiar escrituras, fazer oferendas, doações, receber ensinamentos, lê-los, memorizá-los, explicá-los, recitá-los, refletir sobre eles e meditar.

5 Generosidade (principalmente em relação ao Dharma), fala agradável, conduta correta e ações em acordo com os ensinamentos.

6 Esta prece foi escrita por Atisha para a cerimônia da mente do despertar, sendo uma das recitações mais utilizadas para o refúgio nas Três Joias e a geração de boditchita.

7 Alguém que recebeu o voto bodisatva.

8 Nota do original tibetano: Os mestres Kadampa Tchengawa e Gyayulwa afirmam que essa virtude se refere à prática Mahayana. Já Gyayondag diz que se trata de qualquer virtude. O exemplo é uma pessoa dizer para outra: “Essa doação que você fez é boa, mas é preciso considerar o futuro: se fizer isso, você pode ficar sem nada e terminar na mendicância.”